Fale Conosco+55 (49) 99804-4550

inicial-marcas

Aba 1

Atendimento Virtual
Personalizado

Nome Completo
WhatsApp
E-mail
Sugestão horário de atendimento:
Data
Motivo do atendimento:
Resolva :

inicial-fique-informado

Fique Informado

  • 20/07/2021 PAPO DE PROFISSA: É iniciante na corrida e sente dores após o treino?
    Fala galera, beleza? Daniel Carvalho aqui. Um dos perfis mais comuns de paciente que vejo no consultório é aquela pessoa que se dedicou por um bom tempo à sua carreira,...
    Fala galera, beleza? Daniel Carvalho aqui. Um dos perfis mais comuns de paciente que vejo no consultório é aquela pessoa que se dedicou por um bom tempo à sua carreira, deixando a atividade física de lado, mas por volta dos 30 anos, quando já existe alguma estabilidade financeira, resolve buscar saúde e entrar em forma novamente utilizando a corrida como atividade. É extremamente comum esse corredor iniciante sentir algumas dores. Só que muitas vezes, por receio ou alguns pré-conceitos, a prática é interrompida antes mesmo do indivíduo desfrutar não apenas dos inúmeros benefícios, mas dos prazeres que a corrida oferece. Por que isso acontece? Vamos filosofar um pouco sobre isso. O Ser Humano essencialmente nasceu para se movimentar. Vou até parafrasear Christopher McDougall, “Somos Nascidos pra correr”! Observem as crianças no seu aprendizado à marcha. O seu movimento é muito mais semelhante à corrida do que uma caminhada adulta. Os pés entram “chapados” ao solo, muitas vezes até na ponta dos pés, existe um desequilíbrio para frente, a cadência das passadas é alta e os passos são curtos. Elas possuem mobilidade e ativação incrível dos quadris e quando ganham um pouco mais de força de tronco e equilíbrio, quando perambulam de um lugar para outro, muitas vezes fazem pequenos sprints. Ao analisarmos o padrão de corrida de uma criança em desenvolvimento normal, por volta dos 5 anos, parecem pequenos Quenianos correndo e de uma forma extremamente natural e até elegante. Os Joelhos se elevam, as passadas rápidas, tempo de contato ao solo extremamente curto... todos os pré-requisitos biomecânicos para uma corrida perfeita está ali. É basicamente instintivo. Mas o que vai acontecendo na vida adulta? Por quê a maioria de nós perde esse padrão natural? Bom, existem diversas explicações, mas eu resumiria ao estilo de vida pela maioria de nós adotados. Cada vez mais, permanecemos maior tempo sentados com os quadris e joelhos a 90 graus. Comece a observar como é a maior parte do seu dia. Muitos a partir da adolescência, por mais que pratique atividades física, o período predominante é estático, eu por exemplo quando estudava medicina, eram 8 horas de aula sentado por dia, mais pelo menos 3 a 4 em casa estudando, fora os períodos de deslocamento (carro, ônibus) e se alimentando onde permanecia sentado. Além disso, muitas atividades que nossos antepassados faziam, foram facilitadas pela tecnologia: nossos bisavôs precisavam plantar e colher, nossos avós precisavam pelo menos caminhar até a venda e preparar a comida, nós, em alguns segundos no celular, conseguimos pedir e comer qualquer tipo de refeição sem precisarmos sair do sofá. São situações simples que nos torna cada vez mais sedentários. Isso tem até um nome: “seating disease” – indivíduos sedentários que passam mais de 8 horas sentados, geram o mesmo risco de mortalidade que o tabagismo e a obesidade* Agora pensa bem, se durante um bom tempo o indivíduo ficou grande parte do seu dia sentado, começa a se desenvolver um desequilíbrio muscular com predominância da musculatura flexora, enfraquecimento do Core, encurtamentos musculares, sem contar a perda de massa (por inutilização) – sarcopenia, fora o desgaste natural das articulações pelo envelhecimento. E não se enganem, vejo isso acontecendo como pessoas aos 30 anos de idade, que adquiriram este estilo de vida “sentado” desde os 18. E que por prioridade, se dedicaram às suas carreiras profissionais por exemplo por estes 12 anos seguintes, deixando a atividade física de lado. Se observarem, esse perfil é predominante no nosso meio. Felizmente, cientes de que precisam se exercitar para prevenir doenças, começam então a praticar corrida, até por ser um esporte barato, democrático e que pode ser praticado em qualquer lugar, horário e condição. Mas seu organismo já estava adaptado a condição “sentado” e esta nova realidade – CORRER – o tira da zona de conforto e muitas vezes surgem as dores chatas e indesejáveis. Uma vez descartadas causas já instaladas (lesões propriamente ditas), essas dores são adaptativas e normais. Para isso, sempre recomendo buscar ajuda profissional antes de desistir, preferencialmente multidisciplinar, com médico, profissional de educação física e fisioterapeuta nestes casos, quando o quesito é recuperar o padrão biomecânico natural. Correr é sensacional, mas o corpo precisa estar preparado para isso. Por fim, uma vez descartadas lesões impeditivas, nós médicos ao identificar este padrão de dor devemos encorajar a prática da corrida e não o contrário, obviamente buscando auxiliar o atleta com tudo que a medicina e modelos reabilitação e de treinamento atuais nos oferece hoje. Nascemos para correr, não para ficarmos sentados o dia todo. Bons treinos
    Ver mais
  • 13/07/2021 PAPO DE PROFISSA: Como fazer seu cérebro ter vontade de treinar?
    Será que existe alguma característica genética entre as pessoas ativas e as pessoas que odeiam se exercitar?  Quem nunca viu uma pessoa correndo na rua, logo cedo...
    Será que existe alguma característica genética entre as pessoas ativas e as pessoas que odeiam se exercitar?  Quem nunca viu uma pessoa correndo na rua, logo cedo pela manhã, e pensou.... “Só pode ser maluco(a) correndo a essa hora e por escolha própria”  Não se preocupe, esse pensamento é bem comum. Basicamente nossas experiências boas ou ruins são registradas pelo nosso sistema límbico “cérebro emocional” durante a prática de exercícios e vários hormônios são liberados (ver post hormônios da felicidade) como recompensa para o cérebro. A medida que você repete essa experiência, seu cérebro faz você se sentir bem, liberando mais hormônios e seu humor muda. Quando você cria essa associação emocional de melhora de humor através do exercício físico, você ensina seu cérebro que essa sensação é agradável e ótima para você, não somente por estética. Todo aprendizado é questão de repetição e constância, nada que é bom de verdade é imediato! A medida que criamos essa conexão ensinamos a nós mesmos que podemos nos beneficiar contra o estresse e o mau humor e a notícia boa é que leva apenas algumas semanas para criar essa associação.  Anota essa!!! Tire uma selfie depois de uma prática de exercício, naquele momento que está se sentindo invencível e orgulhoso da sua conquista. Toda vez que você olhar para aquela foto, você se lembrará do quanto o treino te fez sentir bem e, com certeza, isso vai te motivar a treinar de novo.
    Ver mais

newsletter

Fique informado

E-mail
Nome
Telefone
Resolva :

inicial-imgs-topo

  • Vidas Corridas -
  • Vidas Corridas -
  • Vidas Corridas -
  • Vidas Corridas -

ESTAMOS CONSTRUINDO, LOGO TEM NOVIDADES

  • Vidas Corridas -